A guarda e a técnica

É comum entre os treinadores a ideia de que a repetição máxima traz o progresso técnico máximo.

Hoje a técnica tornou-se subtração para mim, pois ela me entorpece daquilo tudo que me afasta do movimento como tendência e propensão.

Mas o saber lidar com a novidade permanente exige de mim uma guarda permanente.

O caminho da construção da marcialidade é desenhado no mapa do instante vivido, na consciência de que o menor erro pode causar em mim ou no outro danos que não pude antecipar.


Posicionamento para aceitar o cenário, adequando-me.

Prontidão para seguir adiante na transformação que não se encerra.

Transformar-me encontrando o potencial naquilo que se transforma para nele estar por inteiro.

Se a guerra é o dano levado ao limite da impossibilidade da força inimiga manter-se em combate, hoje posiciono-me para ao longo do acaso encontrar nele o potencial de minha permanência como força combatente.


O que guarda a técnica se a guarda como técnica se transforma em técnica da guarda?


Mensagens populares deste blogue

A extensão da prática para a conduta

A humanidade no movimento feito solitariamente

Quando o hábito se transforma em arte